Top
A Escócia dos Mil Castelos - Novas Fronteiras Viagens
fade
5484
tour-item-template-default,single,single-tour-item,postid-5484,mkd-core-1.1.1,mkdf-tours-1.3.1,voyage-ver-1.5,mkdf-smooth-scroll,mkdf-smooth-page-transitions,mkdf-ajax,mkdf-grid-1300,mkdf-blog-installed,mkdf-breadcrumbs-area-enabled,mkdf-header-standard,mkdf-sticky-header-on-scroll-up,mkdf-default-mobile-header,mkdf-sticky-up-mobile-header,mkdf-dropdown-default,mkdf-light-header,mkdf-large-title-text,mkdf-title-with-subtitle,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive
 

A Escócia dos Mil Castelos

Tradicional expressão da Escócia medieval
Viagens com especialistas / A Escócia dos Mil Castelos

A Escócia dos Mil Castelos

desde 2995€

por pessoa
26 Jun - 02 Jul 2024
7 dias
Mín. 15 Pessoas

 

Viagem à Escócia

 

Altas e velhas torres, com paredes grossas de pedra e de configurações dramáticas, são a tradicional expressão da Escócia medieval. Profundos vales, altas montanhas, frios e escuros lagos, paisagens de tirar o fôlego formam o cenário onde assentam os castelos escoceses, joias escondidas da sua identidade histórica. Onde quer que se esteja na Escócia um castelo nunca está longe. Calcula-se que tenham existido naquelas terras cerca de três mil. São edifícios que combinam fortificação e residência. Muitos chegaram à Escócia com a introdução do feudalismo, por volta do século XII, substituindo antigas unidades celtas como as motas e os baileys.

Durante as Guerras de Independência, primeiro com William Wallace e depois com Robert the Bruce, o castelo medieval, de tipologia inglesa e continental, foi muito implementado, dominando toda a paisagem escocesa. Pelo final da Idade Média foram construídos novos castelos, alguns em escala grandiosa que podiam suportar maiores guarnições e, com a chegada da artilharia pirobalística (pólvora e canhões), as fortalezas da Escócia adaptaram-se para resistir a essas novas armas. Viviam-se os tempos do Renascimento e as velhas estruturas adquiriam outros níveis de conforto e de sofisticação, mas mantendo constante o desenho rude, forte, medieval.

Nos séculos XVII e XVIII o significado militar destes castelos foi diminuindo, mas o sentimento rebelde e intransigente dos clãs escoceses e dos seus barões pode ser observado nas linhas arquitetónicas que ainda hoje os definem.

Visitar os castelos da Escócia é fazer uma viagem iniciática no tempo, através de um território repleto de cultura e de história, e onde, em cada um dos seus castelos, quase se pode sentir a presença de velhos fantasmas, criaturas irreais, que guardam antigas histórias de rebelião e de romance, contadas nesta jornada única através de lochs, moors e glens, sempre guardados por velhas fortalezas.

 

Ver itinerário

A Escócia dos Mil Castelos

desde 2995€

por pessoa

1º DIA – 26 DE JUNHO (4ª FEIRA) – LISBOA | MANCHESTER | GLASGOW

Comparência no aeroporto de Lisboa para formalidades de embarque em voo TAP com destino a Manchester. Saída prevista para as 07h20 e chegada pelas 10h10. Acolhimento pelo nosso guia local e saída para visita à Muralha de Adriano (Hadrian’s Wall) e ao Forte romano de Birdoswald (Birdoswald Roman Fort). Continuação da viagem até Glasgow. Almoço em restaurante/pub local. Chegada ao Point A Hotel Glasgow 3* (ou similar) onde ficaremos alojados.

2º DIA – 27 DE JUNHO (5ª FEIRA) – GLASGOW | CASTELO DE STIRLING | LAGO LOMOND | CASTELO DE INVERARAY | TYNDRUM

Pequeno-almoço no hotel e saída para visita panorâmica da cidade, onde poderemos apreciar os testemunhos da transformação da revolução industrial: a “George Square”, com a sua espetacular Câmara Municipal, as sucursais bancárias, hoje muitas delas belos restaurantes, as enormes mansões em arenito e os restos de um passado medieval ainda presentes, como a Universidade e a Catedral, esta última um belíssimo exemplar da arquitetura gótica da Pré-Reforma.
Saída em direção a Stirling, localidade testemunha de furiosas batalhas durante a Primeira Guerra da Independência.
A de Stirling Bridge em 1297, foi a maior vitória militar de William Wallace, estabelecendo-o como líder da resistência escocesa.
Também nas proximidades, em junho de 1314, se travou a batalha de Bannockburn entre Robert the Bruce e Edward II de Inglaterra,
que se saldou numa importante vitória escocesa. Visita ao castelo
Passagem junto às margens do lago Lomond (Loch Lomond), o maior lago do interior da Escócia.
Continuação em direção a Inveraray e visita ao castelo com o mesmo nome. Construído na costa oeste da Escócia durante o século
XVIII, este castelo grandioso substituiu um antigo edifício do século XV e é, sem dúvida, uma atração histórica a não perder.
Almoço em restaurante/pub local durante as visitas.
Alojamento em Tyndrum no Muthu Ben Doran Hotel 3* (ou similar).

3º DIA – 28 DE JUNHO (6ª FEIRA) – TYNDRUM | LAGO NESS | CASTELO DE URQUARTH | INVERNESS

Pequeno-almoço no hotel. Partida em direção a Commando Memorial (paragem para fotografias), dedicado aos homens das Forças de Comandos Britânicas da Segunda Guerra Mundial. Daqui tem-se uma vista espetacular das Terras Altas e das suas montanhas mais emblemáticas, Ben Nevis e Aonoch Mor.
Continuação em direção ao Lago Ness (Loch Ness). Visita a este lago escuro e estreito, que se estende por 37 km desde Inverness até Forte Augustus. Cruzeiro no lago.
Visita das ruínas do castelo de Uruquarth, que domina a paisagem e oferece paisagens maravilhosas sobre o Lago Ness.
Partida em direção a Inverness. Almoço em restaurante/pub local durante as visitas.
Alojamento em Inverness no Premier Inn Inverness Milburn 3* (ou similar).

4º DIA – 29 DE JUNHO (SÁBADO) – INVERNESS | CASTELO DE CAWDOR | SPEYSIDE | ABERDEEN

Pequeno-almoço. Partida de Inverness em direção ao castelo de Cawdor fazendo uma paragem em Forte George, uma grande fortificação de artilharia, e um dos melhores exemplos de engenharia militar do século XVIII, e que foi construída durante 20 anos.
Desenhada como a principal fortaleza nas Terras Altas (Highlands) é a única estrutura militar do século XVIII na Escócia que mantém o seu propósito original. Visita ao castelo de Cawdor, um palácio fortificado que se ergue entre magníficos jardins na paróquia de Cawdor, aproximadamente 16 km a Este de Inverness e 8 km a Sudoeste de Nairn. Esta torre apalaçada pertence ao Clã Calder.
Passagem pela região de Speyside para a visita a uma destilaria, onde será possível provar a famosa bebida da Escócia.
Almoço em restaurante/pub local durante as visitas. Continuação para Aberdeen.
Alojamento em Aberdeen no Village Hotel Aberdeen 3* (ou similar).

5º DIA – 30 DE JUNHO (DOMINGO) – ABERDEEN | CASTELO DE DUNNOTTAR | CASTELO DE GLAMIS | EDIMBURGO

Depois do pequeno-almoço. Saída de Aberdeen. Visita ao castelo de Dunnotar. Continuação para visita ao castelo de Glamis, que esconde uma história rica e fascinante que se estende por seis séculos. Lar do famoso Macbeth de Shakespeare (embora apenas na peça), na vida real foi a casa de infância da falecida Rainha-Mãe, Elizabeth Bowes-Lyon.
Paragem em Stº André (St Andrews), uma cidade histórica e pitoresca da costa Leste da Escócia. Durante a Idade Média foi a capital intelectual e eclesiástica da Escócia. Acredita-se que os restos mortais de Stº André foram levados para esta cidade por volta de 733. Esta localidade é famosa pela sua catedral, que um dia foi a maior do país, porém agora somente restam as suas ruínas. A cidade também é conhecida mundialmente pela sua universidade, a terceira mais antiga do mundo de língua inglesa e uma das mais prestigiadas do Reino Unido. O castelo de Stº André foi erguido numa ponta de terra à beira-mar, ao Norte da povoação e foi a residência dos bispos e arcebispos daquela vila medieval, o foco do poder eclesiástico na Escócia medieval. O castelo foi devastado durante as Guerras de Independência: Foi inteiramente reconstruído sob as ordens do Bispo Walter Trail. Paragem em Forth Bridge (para fotografias). Continuação para Edimburgo.
Jantar e alojamento no Holiday Inn Corstorphine Road 3* (ou similar).

6º DIA – 01 DE JULHO (2ª FEIRA) – EDIMBURGO

Pequeno-almoço, no hotel. Saída para uma visita panorâmica à cidade. Edimburgo é, sem dúvida, uma cidade que sabe misturar em harmonia o passado com os seus monumentos e obras-primas. Visita ao castelo de Edimburgo, um dos mais bonitos e atrativos do
Mundo, que domina o centro da cidade e que foi construído sobre um vulcão extinto.
Almoço em restaurante/pub local durante as visitas. Alojamento.

7º DIA – 02 DE JULHO (3ª FEIRA) – EDIMBURGO | MANCHESTER | LISBOA

Pequeno-almoço. Transfer para aeroporto para saída. Em caminho, paragem para fotos em Windermere, localizada no coração desta região. Almoço em restaurante/pub local.
Após a chegada ao aeroporto, formalidades de embarque em voo TAP direto para Lisboa. Hora prevista de saída 17h55. Chegada a Lisboa pelas 20h45.

Fim da viagem
Ver especialista

José Varandas

Historiador

José Manuel Henriques Varandas é natural de Lisboa e Professor Auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa onde se doutorou em 2005 com a dissertação: «Bonus Rex» ou «Rex Inutilis». As Periferias e o Centro. Redes de Poder no Reinado de D. Sancho II (1223-1248).
Tem leccionado, desde 1990, na mesma Faculdade as disciplinas de História e Cultura Clássica II, História Medieval de Portugal, História da Cultura Medieval, História Rural Medieval, História Militar da Antiguidade, História da Tecnologia Militar da Antiguidade, História Militar Medieval, História da Marinha, História das Ideias Políticas: Idade Média e Arte Medieval (Geral).
É director do Mestrado Interuniversitário de História Militar, desde 2013.
É subdirector do Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde também coordena o Grupo de Investigação de História Militar.
É investigador do Instituto de Estudos Regionais e do Municipalismo «Alexandre Herculano» e do instituto de Estudos Árabes e Islâmicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Integra, como docente, o Mestrado de História Marítima realizado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Escola Naval.
Integra, como docente, o Doutoramento em História Marítima realizado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Escola Naval.
É académico correspondente da Academia Portuguesa da História e Membro Efectivo da Classe de História Marítima da Academia de Marinha, bem como sócio da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais e da Associação Ibérica de História Militar.
É responsável pelos seminários de Mestrado: História do Municipalismo; Sociedades Guerreiras da Reconquista, Armas e Sociedades: do Mundo Antigo para a Idade Média; Armas e Sociedades: Mundo Clássico, História Marítima (sécs. IV a.C.-XV d.C.), História da Tecnologia Militar, História Militar: teoria, métodos e fontes e Estudos de Arte Medieval.
Tem como áreas de interesse científico/investigação: História Medieval, História Militar, História Rural, História da Marinha, História do Municipalismo, História das Instituições.
Do conjunto de publicações destacam-se a edição dos sete primeiros volumes das Memórias Paroquiais de 1758, Lisboa, Editora Caleidoscópio/Centro de História da Universidade de Lisboa, 2016; D. Sancho II, o Capelo. 1223-1248, Lisboa, Quidnovi / Academia Portuguesa da História, 2009. A edição de A Guerra na Antiguidade (3 volumes), Lisboa, Editora Caleidoscópio/Centro de História da Universidade de Lisboa, 2007 a 2009. Foi coordenador, com Hermenegildo Fernandes, do volume duplo 16/17 da CLIO – Revista do Centro de História da Universidade de Lisboa, Nova Série, nº 16/17, Lisboa, 2008. Foi autor do capítulo: «D. Mecia Lopes de Haro», no II volume da Colecção Rainhas de Portugal, editado pelo Círculo de Leitores em 2012, colecção coordenada por Ana Maria Rodrigues, Manuela Santos Silva e Isabel dos Guimarães Sá. É, também, autor do capítulo: «D. Sancho II, o Capelo. 1223-1248», no Iº volume da História dos Reis de Portugal. Da fundação à perda da independência, coord. de Manuela Mendonça, Lisboa, Academia Portuguesa da História / Quidnovi, 2010, pp. 151-195. Autor do artigo: «Um Papa. Um Rei. Uma Sombra. A deposição de D. Sancho II: a imagem régia entre fragmentos de memória», publicado em CLIO – Revista do Centro de História da Universidade de Lisboa, Nova Série, 16/17, Lisboa, 2007, pp. 155-179, entre outros.

Ver mapa

A Escócia dos Mil Castelos

desde 2995€

por pessoa

Localização

Ver Galeria

A Escócia dos Mil Castelos

desde 2995€

por pessoa

  • Preços por pessoa
    Mínimo de 15 participantes
  • Em quanto duplo
    2.995€
  • Suplemento quarto individual
    595€

 

NOTAS:

- Para partidas do Porto, por favor consulte-nos.

 

O preço inclui

  • Passagem aérea em classe turística em voo regular da TAP Air Portugal, para percurso Lisboa / Manchester / Lisboa, com direito ao transporte de 23 kgs de bagagem;
  • Acompanhamento do Professor José Varandas (FLUL);
  • Acompanhamento por responsável Novas Fronteiras durante todo o circuito;
  • Hotéis conforme itinerário;
  • Estadia de 6 noites em regime de alojamento e pequeno-almoço;
  • 7 Refeições sem bebidas de acordo com o programa; Visitas de acordo com o itinerário;
  • Autocarro de turismo;
  • Guia local de língua espanhola; Taxas hoteleiras, serviços e IVA;
  • Taxas de aeroporto, segurança e combustível no valor aprox.de €177,00 à data de 06/12/2023 (a reconfirmar e atualizar na altura da emissão dos bilhetes);
  • Seguro Multiviagens Plus 3

O preço não inclui

  • Extras de caracter particular;
  • Gratificações a guias e motoristas;
  • Bebidas às refeições;
  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa.

 

NOTA IMPORTANTE:

A presente cotação está sujeita a reconfirmação mediante as disponibilidades de voo e hotéis à data da vossa reserva. Os valores acima apresentados poderão sofrer eventuais alterações em caso de significativas oscilações cambiais e/ou de custos de combustível e/ou eventuais novas taxas, tendo em conta a atual conjuntura internacional