Top
Marrocos - A Presença Portuguesa - Novas Fronteiras Viagens
fade
5194
tour-item-template-default,single,single-tour-item,postid-5194,mkd-core-1.1.1,mkdf-tours-1.3.1,voyage-ver-1.5,mkdf-smooth-scroll,mkdf-smooth-page-transitions,mkdf-ajax,mkdf-grid-1300,mkdf-blog-installed,mkdf-breadcrumbs-area-enabled,mkdf-header-standard,mkdf-sticky-header-on-scroll-up,mkdf-default-mobile-header,mkdf-sticky-up-mobile-header,mkdf-dropdown-default,mkdf-light-header,mkdf-large-title-text,mkdf-title-with-subtitle,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive
 

Marrocos – A Presença Portuguesa

Com o Professor João Cosme
Viagens com especialistas / Marrocos – A Presença Portuguesa

Marrocos – A Presença Portuguesa

desde 2090€

por pessoa
24 Mar - 01 Abr 2024
9 dias
Mín. 15 Pessoas

Viagem a Marrocos

A presença portuguesa no Norte de África (conquista de Ceuta em 1415) marca o início da Expansão portuguesa. Neste caso, como em qualquer movimento expansionista, a presença portuguesa em Marrocos foi marcada por dinâmicas políticas conjunturais e pelas especificidades de cada um dos povos, motivando que este encontro fosse fortemente marcado por confrontos entre duas civilizações.

É com base nesta perspetiva que o programa de viagem a Marrocos visa não só conhecer a intervenção e legado português, mas também a civilização magrebina dos séculos XV e XVI onde esta presença de desenvolveu.

 

Ver itinerário

Marrocos – A Presença Portuguesa

desde 2090€

por pessoa

1º dia – 24 Março (domingo) - LISBOA | RABAT

Comparência no aeroporto 3h antes da partida para embarque num voo TAP, com destino a Casablanca. Chegada ao aeroporto de Casablanca, assistência e transfer para a cidade de Rabat.
Jantar e alojamento no Farah Hotel 5* ou similar

2º dia – 25 Março (2ª feira) – RABAT

Pequeno-almoço no hotel e saída para visitas à cidade de Rabat. A cidade está situada junto à foz do rio Bouregreg, onde convivem harmoniosamente a cidade moderna e o centro histórico. No flanco norte deste rio, encontra-se a cidade de Salé, outrora, fortemente marcada pelo corso, acontecendo inclusivamente no século XVII que formou a capital da República Independente do Bouregreg (1627-1641).
Iniciaremos o dia com a visita à Torre Hassan, o minarete de uma mesquita inacabada. A construção deste tesouro arquitetónico começou em 1195, durante o reinado do líder almóada Yacoub El Mansour. A torre foi projetada para ser o minarete mais alto do mundo, juntamente com a mesquita adjacente. No entanto, com a morte de Yacoub El Mansour, os trabalhos de construção foram interrompidos e o local ficou inacabado.

Segue-se a visita ao mausoléu de Mohamed V, um edifício histórico mais recente. Alberga o túmulo do rei de Marrocos Mohamed V e dos seus dois filhos, o rei Hassan II e o príncipe Moulay Abdallah. O edifício é considerado uma obra-prima da arquitetura moderna da dinastia Alaouite.
Em seguida visitaremos o Kasbah des Oudayas, situado na foz do rio BouRegreg. Inicialmente, o Kasbah destinava-se à defesa militar da colónia. Mais tarde, o Kasbah deu o seu nome a toda a cidade à sua volta. A Kasbah des Oudayas é uma cidade de ruas estreitas e sinuosas e de casas aninhadas no interior da muralha de proteção, ao contrário da grande cidade de Rabat (Património Mundial da Unesco desde 2012)
Por fim, visita à Rue des Consuls, a rua onde os embaixadores e outros representantes de governos estrangeiros viveram até 1912.
Regresso ao hotel, jantar e alojamento.

3º dia – 26 março (3ª feira) – RABAT | LARACHE | ARZILA | TANGER

Este dia é dedicado a visitar algumas localidades onde a presença portuguesa no “Al-Garb d’além-mar em África” apresenta aspetos emblemáticos. Foi com a ocupação de Alcácer Ceguer que D. Afonso V (o africano) iniciou a sua intervenção bélica em Marrocos, com a ocupação de Arzila deu lugar a uma nova fase desta mesma presença. A fortaleza da Graciosa simboliza uma intervenção pouco “lógica” de D. João II e Alcácer Quibir (1578) o desmoronar dos sonhos marroquinos do “Desejado” e a subsequente perda da independência em 1580.
Após o pequeno-almoço no hotel, partida em direção a Tânger, com visita a Larache (forte português da Graciosa) e depois Assilah, uma das cidades antigas mais bem conservadas de Marrocos.
Chegada a Tânger. Jantar e alojamento no hotel Royal Tulip 5*.

4º dia – 27 março (4ª feira) –TANGER | TETUÃO

Pequeno-almoço no hotel e saída para um dia de visita a Tânger. No plano cultural, Tânger revela não só a dimensão cultural magrebina mas também a de cidade internacional. Por aqui passaram Jacques Custeau, famoso oceanógrafo, e aqui também viveu Paul Bowles (1947).
Começaremos o nosso dia pelo magnífico portão Bab Haha e passearemos pelas ruas residenciais e comerciais empedradas das muralhas de Kasbah. Visita ao impressionante Palácio do Sultão, um edifício histórico e museu, que foi residência dos sultões de Marrocos durante a sua estadia na cidade. O edifício foi construído durante o reinado do Sultão Moulay Ismail, no século XVII, sobre as ruínas do "Castelo Superior" inglês. Os antigos apartamentos do sultão são atualmente utilizados pelo Museu das Artes Marroquinas, onde estão expostas obras de arte de todo o país, incluindo armas de fogo decoradas com tapetes, sedas de Fez e manuscritos.
Segue-se a visita à Igreja de Santo André, um dos locais mais fascinantes de Tânger. Concluída em 1905 como um presente do Rei Hassan I de Marrocos, esta popular atração turística é uma fusão de diferentes arquiteturas e estilos, refletindo a população multicultural de Marrocos. A igreja é um ponto de referência para os cristãos em Tânger. Continuação para o Cabo Spartel, que marca a passagem do Oceano Atlântico para o Mar Mediterrâneo. Situado a 315 metros acima do nível do mar, é considerado a entrada sul do Estreito de Gibraltar.
Visitaremos ainda as Grutas de Hércules, um símbolo de Tânger, com a sua janela para o mar em forma de mapa de África. Pela tarde, saída em direção a Tetuão.
Jantar e alojamento no hotel Sofitel 5* (ou similar).

5º dia – 28 março (5ª feira) – TETUÃO | CEUTA

Tetuão está localizada à beira do Mediterrâneo, e, por isso, desde 1999, tornou-se a principal residência de Verão do Rei Mohammed VI. Face às muitas influências do sul da Península Ibérica, também é conhecida como a Andaluza. A sua Medina tem sete portas, todas magnificamente trabalhadas, dentro da qual encontramos o Palácio do Khalifat, edificado no século XVII. Também aqui ficam situados os museus de Arqueologia e das artes marroquinas.
Pequeno-almoço no hotel e partida para uma visita à cidade velha e medina, Património Mundial da UNESCO, com visita ao souk, ao bairro judeu e ao bairro espanhol. Passagem pelos famosos monumentos da Praça Primo de Rivera e da Praça de Espanha.
Ao fim da tarde, partida para Ceuta.
Jantar e alojamento no hotel Hercule Boutique 4* (ou similar).

6º dia – 29 março (6ª feira) – CEUTA

Pequeno-almoço no hotel e saída para visita à cidade fortificada que marca o início da Expansão portuguesa em geral. A parte mais antiga foi construída entre 962 e a parte mais moderna no século XVIII. O fosso de San Felipe, divide a fortificação em duas. Continuação para visita à Catedral de Ceuta. Foi aqui, na Mesquita desta cidade, entretanto transformada em Catedral que D. João I armou cavaleiros três dos seus filhos.
Regresso ao hotel. Jantar e alojamento.

7º dia – 30 março (Sábado) – CEUTA | CHEFCHAOUEN

Após o pequeno-almoço partida para Chefchaouen, uma das mais belas cidades de Marrocos. A pequena cidade conhecida pelas suas encantadoras casas azuis e caiadas de branco, está situada no coração do Rife e foi fundada em 1471 precisamente para travar a invasão portuguesa no Norte de África.
Começaremos pelo parque Place Mohammed V, que oferece uma vista magnífica sobre as montanhas do Rife e segue-se a praça central de Outa el Hammam, onde se encontra o Kasbah com as suas muralhas vermelhas, a fortaleza e a torre de menagem do século XV, com exposições etnográficas e de arte.
Jantar e alojamento na estalagem Dardara.

8º dia – 31 março (Domingo) – CHEFCHAOUEN | CASABLANCA

Após o pequeno-almoço, partida em direção a Casablanca. Situada nas costas dos montes Anfa e, por isso, os Portugueses chamaram-lhe Anafé. No século VII era uma pequena povoação que, em 1468, foi arrasada pelos Portugueses. No século XVIII, o grande Sultão Sidi Moahmmed ben Abdallah denominou-a de Dar el-Beïda (Casa Branca) que, devido ao seu porto de mar começaria a ganhar importância económica. Seria no século XX, sob o Protectorado Francês que foram realizadas grandes obras não só no porto de mar mas também ao nível do urbanismo citadino. Hoje é considerada a capital económica de Marrocos.
As nossas visitar por Casablanca começarão na praça Mohamed V, segue-se o Parque da Liga Árabe e continuação para visita à grande mesquita Hassan II. Por fim, passeio pela corniche.
Jantar e alojamento no Hotel Kenzi Tower 5*

9º dia – 01 abril (2ªfeira) – LISBOA

Pequeno-almoço no hotel e, em horário a combinar localmente, transfere para o aeroporto. Formalidades de embarque em voo TAP com destino a Lisboa.

 

FIM DA VIAGEM.
Ver especialista

João Cosme

Historiador

João Cosme é docente da Faculdade de Letras de Lisboa onde, no curso de História, leciona no curso de licenciatura História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa e na Pós–Graduação (mestrado e doutoramento): Os Portugueses em Marrocos (séculos XV-XVIII).
Todo o seu percurso académico foi feito Universidade de Lisboa, onde se licenciou, concluiu o mestrado, e prestou provas de doutoramento e agregação.

No que se refere à História dos Portugueses em Marrocos é autor de vários artigos:

- Colaborou na Dicionário de História dos Descobrimentos (Círculo de Leitores, 1994) dirigido pelo Prof. Doutor Luís de Albuquerque, com o seguinte artigo: Vol. I: - pp. 41-42: ALCÁCER QUIBIR, Batalha de

-«Movimentos migratórios para Tânger», in Amar e Viver a História. Estudos de Homenagem a Joaquim Veríssimo Serrão, Lisboa, Edições Colibri, 1995, pp. 515-539.

-«Marrocos (1886-1894) visto através da correspondência da Legação portuguesa em Tânger» in Marrocos, España y Portugal (1880-1996). Hacia nuevos espacios de diálogo, Serie Coloquios y Seminarios, nº 82, Publicaciones de la Facultad de Letras y  Ciencias Humanas, Rabat, 1999, pp. 269-319, coordenador Mohammed Salhi.

- «Mazagão em 1677», in Arquipélago – História. Revista da Universidade dos Açores, 2ª Série, vol. VII, Ponta Delgada, 2003, pp. 79-98.

- «Tratado de paz entre Portugal e o reino de Fez –Arzila – 8 de Maio de 1538)», in Arquipélago. História, 2ª série, vol. XIV-XV (2010-2011).

- «Marrocos e o Mediterrâneo na 2ª metade do século XVIII», in Portugal e o Magrebe. Actas do 4º Colóquio de História Luso-Marroquina, CHAM/CITCEM, Lisboa/Braga, 2011, pp. 323-334.

-«A tomada de Ceuta em 1415: um acto de marketing polìtico», in A cinquista de Ceuta. Conselho Regio de Torres Vedras, Turres Veteras – XVII, Edições Colibri/Câmara Municipal de Torres Vedras, 2015, pp. 103-113.

Livros:

- A Guarnição de Safim em 1511, Editora Caleidoscópio/Centro de História da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2004, 221 páginas.

 

 

Ver mapa

Marrocos – A Presença Portuguesa

desde 2090€

por pessoa

Localização

Ver Galeria

Marrocos – A Presença Portuguesa

desde 2090€

por pessoa

 

  • Preços por pessoa
    Mínimo de 15 participantes
  • Em quarto duplo
    2.090€
  • Suplemento quarto individual
    345€

O preço inclui

  • Acompanhamento pelo Prof João Cosme durante todo o circuito;
  • Acompanhamento por responsável Novas Fronteiras durante todo o circuito
  • Passagem aérea em classe turística em voo regular da TAP Air Portugal, para percurso Lisboa / Casablanca / Lisboa, com direito ao transporte de 23 kgs de bagagem;
  • 8 noites de alojamento e pequeno-almoço nos hotéis mencionados no itinerário (ou similares);
  • 7 almoços e 7 jantares (sem bebidas);
  • Todas as visitas e entradas mencionadas no programa;
  • Guia local acompanhante durante toda a viagem;
  • Transferes de chegada e saída;
  • Taxas hoteleiras, serviços e IVA;
  • Taxas de aeroporto, segurança e combustível no valor aprox. de 63,35€ à data de 10/07/2023 (a reconfirmar e atualizar na altura da emissão dos bilhetes);
  • Seguro Multiviagens VIP

O preço não inclui

  • Acompanhamento pelo Prof João Cosme durante todo o circuito;
  • Bebidas às refeições;
  • Gratificações a guias e motoristas;
  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa;
  • Despesas de caráter pessoal designados como extras.