Top
Roménia - Novas Fronteiras Viagens
fade
5592
tour-item-template-default,single,single-tour-item,postid-5592,mkd-core-1.1.1,mkdf-tours-1.3.1,voyage-ver-1.5,mkdf-smooth-scroll,mkdf-smooth-page-transitions,mkdf-ajax,mkdf-grid-1300,mkdf-blog-installed,mkdf-breadcrumbs-area-enabled,mkdf-header-standard,mkdf-sticky-header-on-scroll-up,mkdf-default-mobile-header,mkdf-sticky-up-mobile-header,mkdf-dropdown-default,mkdf-light-header,mkdf-large-title-text,mkdf-title-with-subtitle,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive
 

Roménia

Castelos e Cidadelas da Roménia
Viagens com especialistas / Roménia

Roménia

desde 3530€

por pessoa
29 Jul - 09 Ago 2024
12 dias
Mín. 15 Pessoas

 

Viagem à Roménia

 

Um dos países mais fascinantes do sudeste da Europa, a Roménia oferece aos viajantes muitas atrações cativantes. Da região da Transilvânia às lendas de Drácula, há um mundo de maravilhas por onde quer que viajemos. À beleza natural do país somam-se os inúmeros castelos misteriosos e encantadores, cidadelas fortificadas e igrejas-fortalezas que se espalham pela pitoresca paisagem campestre, e que são tão diferentes das nossas. Essas fortalezas imponentes surgem ao lado de algumas das arquiteturas mais fascinantes que se produziram na velha Europa e adicionam uma sensação de conto de fadas a este destino que por si já é tão mágico.

Fotos: Portais oficiais do Turismo da Roménia

 

Ver itinerário

Roménia

desde 3530€

por pessoa

1º DIA – 29 DE JULHO (2ª FEIRA) – LISBOA | ZURIQUE | BUCARESTE

Comparência no aeroporto 2h antes da partida para formalidades de embarque em voo da companhia aérea Swiss com partida prevista as 05h55. À chegada a Zurique, formalidades de trânsito para um voo da mesma companhia. Chegada a Bucareste pelas 15h20, assistência pelos nossos serviços locais e transfer para o hotel.
Saída para visita panorâmica pela capital romena, Bucareste, também conhecida como “a Paris dos Balcãs”, por causa das suas grandes avenidas e edifícios ao estilo francês. A visita começa na Casa do Povo, edifício construído durante o regime comunista, que é hoje o segundo maior edifício do mundo depois do Pentágono. Continuação para a Catedral Patriarcal, a Avenida da Vitória com vários edifícios históricos, a Praça da Revolução, testemunhos dos últimos dias de Ceaușescu, o Ateneu Romeno, o Palácio Real que hoje é a sede do importante Museu de Arte e ainda a Union Square com sua famosa Avenida das Fontes.
Regresso ao hotel. Jantar e alojamento no Hotel Europa Royale 4* ou similar.

2º DIA – 30 DE JULHO (3ª FEIRA) – BUCARESTE | FORTALEZA DE POENARI (AREFU) | SIBIU

Pequeno-almoço no hotel e saída em direção a Sibiu, uma das mais belas e importantes cidades da Transilvânia que já foi Capital Europeia da Cultura, em 2007. O dia será dedicado a uma viagem por uma das mais belas estradas panorâmicas da Europa, a estrada Transfagarasan, que liga o sul da Roménia à Transilvânia e que atravessa as enormes montanhas Fagaras através de cinco túneis e estradas sinuosas. A Transfagarasan tem 90 km de extensão e atinge uma altitude de 2.042 metros, sendo a segunda estrada mais alta da Roménia depois da Transalpina que tem a altitude máxima de 2.145 metros.
Uma das primeiras atrações é o Lago Vidraru, uma grande barragem construída antes de Ceausescu chegar ao poder.
Outra grande atração do Transfagarasan é o Lago Balea, um icónico lago glaciar localizado a 2.034 metros de altitude, próximo do ponto mais alto da estrada. Paragem na Fortaleza Poenari, um “ninho de águia”, construído por Vlad, o Empalador, para o qual teremos de subir 1.480 degraus. Rodeada de lendas e florestas esta fortaleza faz parte do legado do mítico Vlad, o Empalador. Este príncipe medieval, elogiado pelas suas vitórias contra os turcos e pelo seu sentido de justiça, também era temido pelas suas punições extremas contra os traidores. Foi ele quem ampliou a fortaleza de Poenari, inicialmente uma torre quadrada construída na primeira parte do século XIV por Basarab I, o fundador da Valáquia (sul da Roménia). A importância estratégica da fortaleza era óbvia. Situada no topo da Montanha Cetatuia, a norte dos principais centros políticos de Targoviste e mais tarde de Bucareste era difícil de conquistar, enquanto oferecia uma perspetiva panorâmica sobre potenciais ataques e uma rota de fuga para a Transilvânia. Junto ao Lago Balea almoçaremos num restaurante local atentos à dimensão geoestratégica daquela região. Mais tarde, já em Sibiu, iniciaremos o repouso desta jornada jantando diversos pratos tradicionais da culinária local.
Alojamento no Hotel Forum Continental 4* ou similar.

3º DIA – 31 DE JULHO (4ª FEIRA) – SIBIU | CALNIC | HUNEDOARA | CASTELO DE CORVIN | ALBA IULIA

Pequeno-almoço no hotel e saída para visitar a cidade de Sibiu, em cujo centro histórico os autênticos testemunhos medievais se alternam com elegantes edifícios barrocos. Passagem pela Praça Maior com edifícios de grande interesse cultural como o Museu Bruckental e a Câmara Municipal e ainda pela Praça Pequena com a significativa Ponte das Mentiras e a imponente Igreja Evangélica.
Após a visita, saída em direção a Hunedoara, uma cidade de fortes contrastes devido à sua grande pegada industrial, enquanto nos deparamos com o impressionante castelo medieval de Corvinus, um dos exemplares mais importantes da arquitetura civil gótica no sudeste da Europa. O castelo é uma imponente estrutura defensiva gótico-renascentista, com pináculos, fossos, muralhas com ameias e pontes levadiças que respiram histórias de outros tempos.
Antes de chegar a Hunedoara faremos uma paragem na estrada de Calnic para visitar a fortaleza, uma construção românica que entrou na lista do Património Mundial da UNESCO devido ao facto de ter sido preservada até hoje em boas condições. A fortaleza apresenta um formato retangular e foi construída para ser a residência do conde Chyl de Kelling em meados do século XIII. Dentro da cidadela podemos visitar as suas três torres (a Torre Gate, a Torre Donjon e a Torre Slăninii). Neste complexo medieval podemos ainda ver, para além da fortaleza, a igreja evangélica e a casa paroquial. Depois da visita, continuaremos em direção a Hunedoara para o almoço e a visita ao Castelo de Corvinus. Depois, pelo fim da tarde, a viagem leva-nos para Alba Iulia.
Jantar e alojamento no Hotel Medieval 5* ou similar.

4º DIA – 01 DE AGOSTO (5ª FEIRA) – ALBA IULIA | CASTELO DE BÁNFFY | CLUJ NAPOCA

Pequeno-almoço no hotel e saída para uma breve visita ao centro histórico da cidade de Alba Iulia que em 1599 se tornou a capital da primeira união política das regiões que hoje constituem a Roménia. Aqui, no dia 1 de dezembro de 1918, ocorreu o encontro histórico do povo que, no final da Segunda Guerra Mundial, votou pela união da Transilvânia com o resto da atual Roménia. Visitas às catedrais ortodoxa e católica. Depois da visita a Alba Iulia sairemos em direção ao Castelo Banffy situado em Bonţida, uma vila nas proximidades de Cluj Napoca.
Depois do almoço, em Cluj Napoca, iremos visitar um monumento arquitetónico que nos apresenta diversas fases de construção e diferentes traços estilísticos pertencentes aos períodos renascentista, barroco, neoclássico e neogótico.
Ao fim da tarde, regressamos a Cluj Napoca. Depois de alojados no hotel sairemos para um passeio guiado a pé pelo centro histórico da cidade. Começaremos pela Praça da Unidade, onde está a imponente Igreja de San Michele, do século XIV e onde foi batizado o rei Matia Corvino. Aqui, poderemos admirar o Palácio Banffy construído no século XVIII pelo conde Banffy, em estilo barroco, e que hoje abriga o museu de arte. Caminhando em direção à Praça Avram Iancu admiraremos os restos das antigas muralhas de defesa da cidade construídas entre os séculos XVI e XVII e a antiga Igreja da Misericórdia. Na praça Avram Iancu visitaremos a catedral ortodoxa dedicada à «Dormição» da Madona (a morte da Virgem Maria tem o nome de «Dormição», pois o seu falecimento não é considerado uma ocorrência dolorosa ou em martírio) de estilo neobizantino (visita interna) construída no século XX. Por aqui jantaremos num restaurante local.
Alojamento no Hotel Beyfin 4* ou similar.

5º DIA – 02 DE AGOSTO (6ª FEIRA) – CLUJ NAPOCA | CASTELO DE BETHENHALLER | JIDVE | VALEA VILLOR | BIERTAN | SIGHISOARA

Pequeno-almoço no hotel e saída em direção a Sighisoara, a cidade natal do príncipe da Valáquia, Vlad Tepes (o Empalador), a fonte de inspiração para o famoso romance “Drácula”, do escritor irlandês Bram Stoker. Pelo fim da manhã, paragem para visitar o Castelo Bethlen-Haller, construído entre 1560 e 1624, em estilo renascentista, pelo pai do chanceler da Transilvânia, Miklos Bethlen. Com quatro torres, posicionadas nos seus quatro cantos, este castelo foi construído segundo o modelo dos do Vale do Loire (França). Foi concebido como castelo de caça e lazer, não como residência defensiva, e ao longo do tempo passou por inúmeras transformações. Na Transilvânia existem vários castelos com o nome da família Bethlen, já que Miklos Bethlen era chanceler da Transilvânia, e Gabor Bethlen, oriundo de outro ramo desta família nobre húngara, era príncipe da Transilvânia. Aqui teremos a oportunidade de visitar a adega Jidvei, no sopé das colinas de Tarnave, muito conhecidas pelo seu excelente vinho branco. Depois desta visita seguimos para Valea Viilor para visitar uma igreja fortificada do século XV dedicada a São Pedro.
Depois de um almoço, que esperamos seja bem regado, na vinícola Jidvei, continuaremos até Biertan para visitar a sua esplêndida igreja fortificada do século XV. Estas e outras igrejas-fortalezas constituem um dos mais importantes tesouros histórico-culturais da região. Surgiram nas aldeias saxónicas, formadas a partir do século XIII, por comunidades fechadas de agricultores, artesãos e comerciantes, que, para se defenderem dos inimigos criaram fortificações em redor das suas igrejas, que também fortificaram, e que estavam sempre situadas no centro das aldeias. Biertan e a sua igreja representam um dos mais belos exemplos dessa história. Daqui a viagem prossegue para Sighisoara, onde chegaremos pelo fim da tarde.
Jantar e alojamento no Hotel Mercure Binderbubi 4* ou similar.

6º DIA – 03 DE AGOSTO (SÁBADO) – SIGHISOARA | SASCHIZ | VISCRI | SIGHISOARA

Pequeno-almoço no hotel. Pela manhã, visita à cidade medieval de Sighisoara dominada pela torre do relógio, hoje museu de história e símbolo da cidade. Durante a visita, teremos a oportunidade de apreciar a Casa do Veado em estilo renascentista que predomina sobre a praça da cidadela, a Casa Veneziana e a Escadaria Escolar de 1642 com os seus 177 degraus, a igreja na colina e o sistema de fortificações da cidade que conta com 930 metros de muralhas e 9 torres, sobreviventes das 14 originais.
A viagem prossegue eleva-nos até Saschiz para visitarmos a sua igreja luterana fortificada construída entre 1493-1525 pela comunidade étnica alemã da Transilvânia saxónica. Naquela época a região pertencia ao reino da Hungria e a igreja tinha uma dupla função: fortaleza e igreja, tornando-se modelo para toda uma série de igrejas fortificadas que surgiram no centro e no sul da Transilvânia. Continuaremos, depois, em direção à aldeia de Viscri, um povoado saxónico típico, onde o tempo parece ter parado, pois o conselho da aldeia decidiu não permitir a construção de novas casas ou mesmo reabilitações que pudessem alterar a aparência e estrutura das casas históricas, mas zelando pela sua conservação. Aqui o almoço será numa casa tradicional com produtos locais. De tarde iremos visitar a igreja fortificada mais antiga da Transilvânia, construída em 1230, e conhecida pelo nome de Igreja Branca. Por aqui haverá tempo para um workshop sobre os diversos produtos locais. E, sabendo já tudo, sobre esta bela localidade, regressaremos a Sighisoara onde nos aguarda um retemperador jantar, muito especial, pois será na casa onde nasceu o famoso príncipe Vlad Tepes, conhecido como Conde Drácula.
Alojamento no Hotel Mercure Binderbubi 4* ou similar.

7º DIA – 04 DE AGOSTO (DOMINGO) – SIGHISOARA | DESFILADEIRO DE BICAZ | LACU ROSU | CIDADELA DE PIATRA NEAMT

Pequeno-almoço no hotel e saída em direção a Piatra Neamt. Durante o percurso cruzaremos um dos locais de grande interesse natural da Roménia: o Desfiladeiro de Bicaz, com 10 km de extensão, e também o Lago Vermelho. Uma bela oportunidade para descobrir a magnífica natureza dos Montes Cárpatos.
Pelo Lago Vermelho almoçaremos e teremos algum tempo livre para disfrutar da bela paisagem. Já de tarde chegaremos à Cidadela de Neamț, uma fortaleza medieval localizada no nordeste da Roménia, perto de Târgu Neamț, no condado de Neamț. Este castelo foi construído no século XIV durante o reinado de Petru I da Moldávia e foi ampliado durante o século XV, reinava então Estêvão, o Grande, líder militar excecional que compreendeu bem a importância estratégica e tática das fortificações. As obras realizadas na sua época consistiram no levantamento das antigas muralhas da fortaleza, no levantamento dos quatro baluartes do pátio exterior e na construção da ponte em arco, apoiada em onze pilares de pedra. Em 1476 a fortaleza de Neamț enfrentou o cerco imposto por Mohamed II após a batalha de Valea Alba-Războieni. Com os olhos dominados pela imponência robusta daquela fortificação regressaremos a Piatra Neamt.
Jantar e alojamento no Hotel Central Plaza 4*ou similar.

8º DIA – 05 DE AGOSTO (2ª FEIRA) – PIATRA NEAMT | CASTELO STURZA | BRASOV

Logo após o pequeno-almoço no hotel a nossa saída vai em direção a Miclăușeni para visitarmos o Castelo Sturdza. Para a construção desta fortificação, George Sturdza vendeu algumas florestas e contraiu um empréstimo de 100.000 lei à Sociedade Romena de Crédito, dando a sua propriedade de Miclăușeni como garantia. Entre os anos de 1880 e 1904, Sturdza construiu no local da antiga mansão um belo palácio em estilo neogótico tardio. Durante a Primeira Guerra Mundial, o castelo abrigou um hospital militar, e Maria Ghica, esposa de Sturza, e a sua filha Ecaterina, ajudaram os feridos como enfermeiras.
Daqui a nossa viagem segue em direção a Brasov, cidade que já na Idade Média conheceu um formidável impulso comercial principalmente devido às comunidades saxónicas (alemãs) que para aqui se mudaram a partir do século XII. Principal local de início do protestantismo na Transilvânia, Brasov também foi um dos principais centros da revolução anti-Habsburgo na Transilvânia. O almoço será durante o caminho.
À chegada a Brasov visitaremos o antigo bairro Schei e a sua igreja de S. Nicola, um templo ortodoxo com uma arquitetura peculiar que combina elementos dos estilos valáquio, moldavo e gótico. Shei alberga também a Primeira Escola Romena e um museu anexo, que preserva importantes manuscritos dos séculos XV e XVI. Daqui continuaremos para a imponente Igreja Negra, que domina o centro da cidade, e que foi construída no século XIV, sendo considerada a maior igreja de estilo gótico da Europa de Leste. O seu interior é igualmente muito especial, com a presença de mais de 119 tapetes de oração trazidos da Anatólia e doados pelos comerciantes que viviam na cidadela e que assim agradeciam a sua prosperidade. Teremos, ainda, a possibilidade de admirar a Praça do Conselho que nos oferece um panorama quase completo dos edifícios históricos que fazem testemunho dos tempos da dominação austro-húngara, e que também foi o coração comercial da cidade. Também ali existe uma parte do antigo sistema de fortificações da cidade, construído entre os séculos XIV e XVII.
Jantar em restaurante local e alojamento no hotel Aro Palace 5* ou similar.

9º DIA – 06 DE AGOSTO (3ª FEIRA) – BRASOV | PREJMER | CIDADELA DE FAGARAS | BRAN | BRASOV

Pequeno-almoço no hotel e saída para a típica vila de Prejmer, na região da Transilvânia, fundada pelos cavaleiros teutões por volta de 1211, sob a autoridade do rei húngaro Andreea II. A vila é conhecida pela sua igreja fortificada do século XIII, considerada hoje como a igreja-fortaleza medieval mais bem preservada da Europa de Leste.
Daqui a viagem continua para Fagaras. A fortaleza de Fagaras é o lugar de onde, segundo a lenda, Negru Voda partiu para fundar a Valáquia, o país romeno ao sul dos Cárpatos Meridionais. Inicialmente foi construída em madeira e terra, por volta de 1310, por Ladislau Kan, então voivoda (príncipe / conde / chefe militar) da Transilvânia e membro da família nobre húngara Kan. Mais tarde, e de forma gradual, a fortaleza foi transformada pelos voivodas seguintes. No século XV este edifício de pedra e tijolo de era uma fortaleza militar defensiva com um recinto quadrangular, quatro baluartes nos cantos, e uma torre barbacã que fazia de posto avançado no seu lado nascente. Pelo século XVII, as alterações a que a cidadela de Fagaras foi submetida culminaram na sua transformação numa sumptuosa residência principesca com mais de 85 quartos. A nossa expedição almoçará num restaurante local durante o caminho. E a terminar esta visita haverá um transfer para a pitoresca aldeia de Bran onde, no alto afloramento rochoso que domina a paisagem, se ergue o famoso castelo de Drácula, o notório vampiro. Construído em 1377 como posto alfandegário e baluarte de defesa de Brasov, não oferece, contudo, elementos históricos que o possam levar ao príncipe Vlad Tepes (Drácula), mas o imaginário coletivo elegeu este castelo como sendo o de Drácula. Em 1920 foi entregue à rainha Maria (Maria de Saxe Coburgo Gota, ou Maria da Roménia) que fez dele a sua residência preferida. Haverá por aqui tempo livre para explorar o típico mercado de Bran com diversos produtos locais e memórias do Conde Drácula… mas não se deixem morder!
Jantar em restaurante local e alojamento no hotel Aro Palace 5* ou similar.

10º DIA – 07 DE AGOSTO (4ª FEIRA) – BRASOV | CASTELO DE CANTACUZINO| CASTELO PELES | SINAIA

Pequeno-almoço no hotel e partida para Sinaia, uma das mais belas estâncias turísticas de montanha da Roménia, alcunhada a “Pérola dos Cárpatos”. Pelo caminho pararemos em Busteni para a visita ao Castelo Cantacuziono, construído por Gheorghe Grigore Cantacuzino entre 1901 e 1908, no local de um antigo pavilhão de caça da família, e segundo os planos do arquiteto Grigore Cerchez, edificado num estilo neo-romeno. Este castelo tem a forma de um quadrilátero, com o lado sul aberto e cobre uma área de 3.148 metros quadrados, enquanto o seu pátio e o jardim preenchem 3,5 hectares. O domínio também inclui 970 hectares de floresta e oferece uma vista incrível das montanhas de Bucegi. Iremos vê-las!
Finda esta visita a viagem segue em direção a Sinaia e ao Castelo de Peles. E depois do almoço visitaremos o castelo de Peles, considerado o mais precioso da Roménia e um dos mais belos da Europa. Uma obra-prima, arquitetonicamente eclético e dominado pelo estilo neo-renascentista alemão. A sua construção foi encomendada pelo rei Carlos I de Hohenzollern, e o castelo foi edificado no final do século XIX. A decoração dos seus 160 quartos (Gustav Klimt também contribuiu para alguns) reflete os estilos mais requintados daquela época. Vitrais, lustres de vidro de Murano, esculturas em madeira preciosa e ouro, paredes revestidas de couro de Córdova, porcelana Sèvre e esculturas em marfim fazem desta fortaleza um triunfo de elegância, onde não faltam pinturas, coleções de armas e tapeçarias. Haverá algum tempo livre para disfrutar o pátio do castelo e a paisagem envolvente. Deste belo castelo a nossa segue para Azuga onde nos espera uma degustação de espumantes.
Jantar e alojamento no Hotel International 4* ou similar em Sinaia.

11º DIA – 08 DE AGOSTO (5ª FEIRA) – SINAIA | CASTELO DE IULIA HASDEU | BUCARESTE

Depois do pequeno-almoço no hotel, sairemos para Campina. Esperamos pelo final da manhã chegar ao Castelo Iulia Hașdeu, um sublime capricho arquitetónico em forma de pequeno castelo concebido pelo historiador e político Bogdan Petriceicu Hașdeu. A sua construção começou em 1893, depois da sua filha, Iulia Hasdeu, ter falecido com 19 anos, um acontecimento que abalou dramaticamente a vida de Bogdan. Nunca aceitando a morte da filha, Hașdeu procurou constantemente entrar em comunicação com o espírito de Iulia (processo muito comum nos finais do século XIX nas elites europeias), razão pela qual começou a estudar e a recorrer a pessoas especializadas em espiritismo, mas também a um grupo de amigos, intelectuais como ele, que pudessem ajudá-lo nessa demanda. Foi assim que iniciou a construção do castelo de Campina, ou “Grande Templo”, em 1893, concluindo-o três anos depois. A obra final tinha a forma de uma cruz incompleta e era composta por três torres, sendo a do meio a cúpula, que funcionava simbolicamente como igreja.
Deixando em paz a memória de Iulia, que ali descansa para a Eternidade, o caminho leva-nos em direção a Bucareste, onde chegaremos pela tarde. Começa a visita a Bucareste, a capital da Roménia e a maior cidade do país, uma urbe que nunca dorme, e a que muitos chamam a Paris da Europa Oriental. Antes de iniciarmos a visita, haverá uma pausa para o almoço e para provar a cerveja local no interior de um espetacular edifício pleno de história – é a histórica cervejaria e restaurante "The Beer Wagon" construído em estilo revivalista gótico no final do século XIX. Deste peculiar restaurante chegaremos ao segundo maior edifício do mundo - a Casa do Povo, hoje sede do Parlamento Romeno. Mais de 20.000 trabalhadores e 700 arquitetos trabalharam na sua construção sob a direção da arquiteta Anca Petrescu. O edifício possui doze andares e ali foram utilizados apenas materiais da Roménia na sua construção: madeira, mármore e cristal de Mediasi. Daqui os nossos passos seguirão para o centro do culto ortodoxo romeno localizado no Dealul (colina) Mitropoliei. As primeiras informações sobre esta colina, sobre a qual o Palácio seria construído, datam de cerca de 1650. Naquela época, a Colina Mitropoliei, mais tarde chamada Colina Patriarcal, estava coberta de videiras pertencentes aos voivodas do reino, enquanto outras pertenciam aos monges metropolitas. A ideia de colocar a sede do poder legislativo no meio de um complexo religioso não foi uma coincidência, e tem raízes nos costumes da época. De acordo com essa tradição, o Metropolita era também presidente dos boiardos (nobres), os únicos cidadãos com direito a voto. Além disso, era necessário que a sede do poder legislativo fosse numa colina porque, por tradição, o Metropolita nunca podia sair da sua residência. O edifício serviu de sede a sucessivas legislaturas romenas: a Assembleia dos Deputados durante a monarquia romena, depois na era comunista, a Grande Assembleia Nacional, e após a Revolução romena de 1989, a Câmara dos Deputados. Os parlamentares desocuparam o edifício em 1997, quando este passou para o Patriarcado da Igreja Ortodoxa Romena. Este será o momento para visitarmos a Catedral Patriarcal Romena, também conhecida como Igreja Metropolitana. Enquanto catedral em funcionamento, é o local de celebração de muitos feriados religiosos, sobretudo a peregrinação no Domingo de Ramos. Durante a visita poderemos admirar a Praça da Unidade e uma extraordinária avenida com muitas fontes conhecida como os Champs Élisées romenos. No fim da visita haverá “transfer” até ao hotel, a que se seguirá um jantar tradicional com danças folclóricas e música ao vivo.
Alojamento no Hotel Europa Royale 4* ou similar.

12º DIA – 09 DE AGOSTO (6ª FEIRA) – BUCARESTE | FRANKFURT | LISBOA

Pequeno-almoço no hotel, “check-out” e saída para visitarmos o antigo Palácio Real Cotroceni, hoje sede das receções oficiais do atual presidente da Roménia. O palácio ganhou vida na colina Cotrocenilor, onde em 1679 o príncipe Cantacuzino decidiu construir inicialmente um mosteiro. A obra de Cantacuzino foi promovida pelo príncipe mais importante da Valáquia - Constantin Brancoveanu e posteriormente ampliada e elevada à categoria de residência de verão em 1862, na época de Alexandru Ioan Cuza. Em 1883, o príncipe Carol I, da dinastia Hohenzollern, decidiu construir um palácio real perto do mosteiro de Cotroceni. Em 1888, de acordo com os projetos do arquiteto francês Paul Gottereau, começou a construção da residência oficial da família real, o rei Fernando, sobrinho de Carlos I, e a sua esposa, a rainha Maria. Daqui seguimos para o centro histórico, onde teremos a oportunidade de conhecer mais histórias sobre Vlad Tepeş, sobre os otomanos e sobre a história desta imponente cidade comercial. Descobriremos os restos do antigo palácio da corte voivoda construído por Vlad, o Empalador, juntamente com uma das igrejas mais antigas de Bucareste, a igreja de Santo António. Segue-se a visita à Pousada Manuk, situada perto do antigo palácio, e a uma pequena joia do início do século XVIII - a igreja de Stavropoleos, escondida entre os imponentes palácios históricos. A visita continuará com um passeio pela Avenida da Vitória que oferece um panorama completo dos belos edifícios de inspiração francesa. Pelo caminho poderemos observar o Ateneu Romeno, o antigo palácio real que hoje alberga o importante museu de arte, a Biblioteca Nacional, a Casa Vernescu que é hoje a o Palácio do Casino, o palácio Cantacuzino em estilo Art Nouveau onde se encontra o Museu George Enescu. Pararemos, ainda, na Praça da Revolução.
Após o almoço em restaurante local, “transfer” até ao aeroporto de Bucareste para as formalidades de embarque em voo da Lufthansa, com partida prevista para as 18h35. Chegada a Frankfurt e formalidades de trânsito em voo da mesma companhia com destino a Lisboa. Chegada prevista pelas 23h30.

Fim da nossa viagem!
Ver especialista

José Varandas

Historiador

José Manuel Henriques Varandas é natural de Lisboa e Professor Auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa onde se doutorou em 2005 com a dissertação: «Bonus Rex» ou «Rex Inutilis». As Periferias e o Centro. Redes de Poder no Reinado de D. Sancho II (1223-1248).
Tem leccionado, desde 1990, na mesma Faculdade as disciplinas de História e Cultura Clássica II, História Medieval de Portugal, História da Cultura Medieval, História Rural Medieval, História Militar da Antiguidade, História da Tecnologia Militar da Antiguidade, História Militar Medieval, História da Marinha, História das Ideias Políticas: Idade Média e Arte Medieval (Geral).
É director do Mestrado Interuniversitário de História Militar, desde 2013.
É subdirector do Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde também coordena o Grupo de Investigação de História Militar.
É investigador do Instituto de Estudos Regionais e do Municipalismo «Alexandre Herculano» e do instituto de Estudos Árabes e Islâmicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Integra, como docente, o Mestrado de História Marítima realizado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Escola Naval.
Integra, como docente, o Doutoramento em História Marítima realizado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Escola Naval.
É académico correspondente da Academia Portuguesa da História e Membro Efectivo da Classe de História Marítima da Academia de Marinha, bem como sócio da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais e da Associação Ibérica de História Militar.
É responsável pelos seminários de Mestrado: História do Municipalismo; Sociedades Guerreiras da Reconquista, Armas e Sociedades: do Mundo Antigo para a Idade Média; Armas e Sociedades: Mundo Clássico, História Marítima (sécs. IV a.C.-XV d.C.), História da Tecnologia Militar, História Militar: teoria, métodos e fontes e Estudos de Arte Medieval.
Tem como áreas de interesse científico/investigação: História Medieval, História Militar, História Rural, História da Marinha, História do Municipalismo, História das Instituições.
Do conjunto de publicações destacam-se a edição dos sete primeiros volumes das Memórias Paroquiais de 1758, Lisboa, Editora Caleidoscópio/Centro de História da Universidade de Lisboa, 2016; D. Sancho II, o Capelo. 1223-1248, Lisboa, Quidnovi / Academia Portuguesa da História, 2009. A edição de A Guerra na Antiguidade (3 volumes), Lisboa, Editora Caleidoscópio/Centro de História da Universidade de Lisboa, 2007 a 2009. Foi coordenador, com Hermenegildo Fernandes, do volume duplo 16/17 da CLIO – Revista do Centro de História da Universidade de Lisboa, Nova Série, nº 16/17, Lisboa, 2008. Foi autor do capítulo: «D. Mecia Lopes de Haro», no II volume da Colecção Rainhas de Portugal, editado pelo Círculo de Leitores em 2012, colecção coordenada por Ana Maria Rodrigues, Manuela Santos Silva e Isabel dos Guimarães Sá. É, também, autor do capítulo: «D. Sancho II, o Capelo. 1223-1248», no Iº volume da História dos Reis de Portugal. Da fundação à perda da independência, coord. de Manuela Mendonça, Lisboa, Academia Portuguesa da História / Quidnovi, 2010, pp. 151-195. Autor do artigo: «Um Papa. Um Rei. Uma Sombra. A deposição de D. Sancho II: a imagem régia entre fragmentos de memória», publicado em CLIO – Revista do Centro de História da Universidade de Lisboa, Nova Série, 16/17, Lisboa, 2007, pp. 155-179, entre outros.

Ver mapa

Roménia

desde 3530€

por pessoa

Localização

Ver Galeria

Roménia

desde 3530€

por pessoa

  • Preços por pessoa
    Mínimo de 15 participantes
  • Em quanto duplo
    3.530€
  • Suplemento quarto individual
    530€

 

NOTAS:

- Para partidas do Porto, por favor consulte-nos.

 

O preço inclui

 

  • Passagem aérea em classe turística em voos regulares da Swiss e Lufthansa, para percurso Lisboa / Zurique / Bucareste / Frankfurt / Lisboa, com direito ao transporte de 23 kgs de bagagem;
  • Acompanhamento pelo Professor José Varandas (FLUL);
  • Acompanhamento por responsável Novas Fronteiras durante todo o circuito;
  • Hotéis conforme itinerário;
  • Estadia de 11 noites em regime de alojamento e pequeno-almoço;
  • Pensão completa desde o jantar do 1º dia até ao almoço do 12º dia;
  • Visitas de acordo com o itinerário;
  • Autocarro de turismo;
  • Guia local de língua espanhola;
  • Taxas hoteleiras, serviços e IVA;
  • Taxas de aeroporto, segurança e combustível no valor aprox.de €223,00 à data de 29/01/2024 (a reconfirmar e atualizar na altura da emissão dos bilhetes);
  • Seguro Multiviagens Plus 3;

 

O preço não inclui

  • Extras de caracter particular;
  • Gratificações a guias e motoristas;
  • Bebidas às refeições;
  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa.

 

NOTA IMPORTANTE:

A presente cotação está sujeita a reconfirmação mediante as disponibilidades de voo e hotéis à data da vossa reserva. Os valores acima apresentados poderão sofrer eventuais alterações em caso de significativas oscilações cambiais e/ou de custos de combustível e/ou eventuais novas taxas, tendo em conta a atual conjuntura internacional